A luta contra a gordofobia e o perigo da obesidade

Lutar contra a gordofobia é necessário, mas precisa haver cuidado para que essa luta não normalize a obesidade, que é uma doença muito séria. A aceitação do corpo, do tipo de cabelo, da cor da pele e do jeito de se vestir é essencial; precisamos ser livres para ser quem quisermos e fazermos nossas próprias escolhas. Mas, é fundamental que entendamos que estar muito fora do peso aumenta estatisticamente a chance de vários tipos de doenças.

Dados


A Pesquisa Nacional de Saúde divulgada em outubro de 2020 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontou que 60,3% dos brasileiros com 18 anos ou mais (96 milhões de pessoas) estavam acima do peso em 2019. Desse grupo, 41,2 milhões (25,9% da população) estavam obesos; ou seja, uma a cada quatro pessoas. A pesquisa também identificou que 19,4% dos adolescentes entre 15 e 17 anos no Brasil estão acima do peso, sendo que 6,7% estão obesos.


Entre 2003 e 2019, os resultados de duas pesquisas do IBGE mostraram que a proporção de obesos na população com 20 anos ou mais do país saltou de 12,2% para 26,8%. Já a proporção de pessoas com excesso de peso subiu de 43,3% para 61,7%. A qualidade da alimentação e a falta de exercícios físicos colaboram com este cenário. Aqui, vemos uma preocupação enorme; os hábitos precisam mudar com urgência.

Como saber se é obesidade?


O método mais usado para verificar se você tem um peso saudável é o Índice de Massa Corporal (IMC). O IMC mede se você tem um peso saudável para a sua altura e você pode usar a calculadora de peso saudável para calcular sua pontuação. Para a maioria dos adultos, um IMC de 18,5 a 24,9 significa um peso saudável. De 25 a 29,9 significa que você está acima do peso; 30 a 39,9 indica obesidade e 40 ou mais aponta obesidade grave.


O IMC não é usado sozinho para diagnosticar a obesidade, porque as pessoas muito musculosas podem ter um IMC alto sem muita gordura. Mas, para a maioria das pessoas, o IMC é uma indicação útil de peso saudável. Uma medida melhor do excesso de gordura é o tamanho da cintura, que pode ser usado como medida adicional em pessoas com sobrepeso. Geralmente, homens com cintura de 94 cm ou mais e mulheres com cintura de 80 cm ou mais têm maior probabilidade de desenvolver problemas de saúde relacionados à obesidade, principalmente pela concentração de gordura na região abdominal, que pode causar ainda outros problemas de saúde.

Condições graves da obesidade


Ser obeso pode aumentar o risco de desenvolver muitos problemas de saúde potencialmente graves, incluindo:


  • Diabetes tipo 2;

  • Alguns tipos de câncer, como câncer de mama, útero e intestino;

  • Pressão alta;

  • Doenças cardíacas;

  • Colesterol alto e aterosclerose, o que pode levar a doenças coronárias e derrames.

Conclusão


Estamos vivendo em um tempo em que a luta contra a discriminação está se confundindo com a normalização da obesidade. É necessário combater a gordofobia, pois é ilegítimo, mas não podemos negar e esconder as consequências do excesso de peso. É fato que pessoas obesas enfrentam dificuldades cotidianas, seja para comprar roupas, seja no transporte público ou até em outros ambientes sem estrutura adequada para acomodá-las – e todos os comportamentos discriminatórios que sabemos que existem, sendo muitas vezes alvo de julgamentos, piadas ofensivas e até xingamentos.


Porém, de acordo com fatos e dados científicos, a obesidade pode levar a outras doenças crônicas, por isso não podemos apenas aceitar a obesidade para lutar contra a pressão do padrão de beleza, pois, claro que todo corpo merece ser respeitado e amado, mas o real problema está na saúde da pessoa e dos riscos que ela corre.

4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Se você está acostumado a devorar suas refeições sem prestar atenção no que está fazendo, você não está sozinho. Nosso estilo de vida agitado torna muito fácil buscar lanchinhos não saudáveis ​​para u

Todos os dias, temos contato com muitos compostos tóxicos para o nosso organismo, como medicamentos, agrotóxicos, metais pesados presentes em cosméticos, aditivos alimentares, compostos de embalagens,

A ciência é clara: comer os alimentos certos pode levar a uma vida mais longa e saudável. Entretanto, algumas pessoas acham mais difícil comer de forma mais saudável à medida que envelhecem por vários

Logo.png