Ansiedade e Alimentação

A OMS - Organização Mundial da Saúde alerta para o risco de ansiedade nesse período de pandemia.


Os brasileiros já eram considerados pela OMS a população mais ansiosa do mundo antes da pandemia, e esse cenário tem piorado consideravelmente.


A ansiedade é uma resposta natural do corpo, porém em alguns casos a ansiedade pode se tornar nociva e até potencializar o risco a outras patologias.


Por isso, é extremamente importante mantermos nesse momento de quarentena uma rotina saudável que inclua exercício físico, praticar espiritualidade através da Yoga, por exemplo e meditação. Aproveite e faça as diferentes aulas que profissionais estão disponibilizando nas redes sociais e no Youtube.


Além disso, é fundamental manter uma alimentação com qualidade, com comida de verdade e colorida. Sabemos que a qualidade da alimentação influencia diretamente nosso sistema imunológico e, ainda mais neste momento, precisamos consumir vegetais crus, cozidos, frutas, carboidratos integrais, proteínas de boa qualidade e, como já falei em outro texto no blog, comer 2 castanhas do para ao dia em função do selênio, grande aliado do sistema imunológico.


É sabido que alimentação com qualidade ruim, isto é, fast food, açúcar, carboidratos refinados, tem uma relação direta com o aumento da ansiedade, podendo aumentá-la e até potencializá-la.


Um estudo, realizado com 128 adultos acima dos 50 anos, publicado na revista Nutrients, comprovou isso. Após analises, os autores concluíram que o consumo aumentado de gordura saturada e de açúcar aumentava o risco de ansiedade!


Tudo o que não precisamos neste momento!

45 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O que é? ​Doenças inflamatórias intestinais (DIIs) são doenças crônicas, ou seja, que não tem cura. Elas são caracterizadas pela inflamação dos intestinos em intensidades variadas e 5 milhões de pesso

Uma pesquisa realizada no Reino Unido analisou a relação entre ganho de peso e câncer. Nos homens, para cada 5 kg a mais no IMC (índice de massa corporal), o risco de câncer de reto sobe 9%, enquanto

Logo.png