Ômega 3 e saúde muscular

Saúde muscular


Uma das alterações mais evidentes no envelhecimento é a mudança nas dimensões corporais, provocada especialmente pela diminuição de massa magra, aumento de gordura corporal e diminuição de densidade óssea.


A partir da meia-idade, a massa muscular começa a diminuir a uma taxa de 0,5–1,0% ao ano pelo aumento da infiltração com tecido adiposo e conjuntivo, que afeta negativamente a força e potência musculares, totalizando uma perda anual de, aproximadamente, 2–3,0% da função muscular!


Sabendo que os declínios na massa e função muscular associados à idade são os principais fatores de risco para quedas em idosos e para a redução da capacidade de realizar atividades diárias, podemos evidenciar a importância de discutirmos estratégias seguras e capazes de ajudar na manutenção da saúde muscular.

Ômega 3


O ômega 3 é bastante recomendado e prescrito para a saúde cardiovascular e neurológica, no entanto, estudos recentes apontam que a sua ingestão diária ajuda a preservar e promover a musculatura!


Um pequeno estudo randomizado, publicado em Sports, concluiu que níveis mais elevados de ácidos graxos ômega 3 plasmáticos estão positivamente relacionados com a função muscular e articular após exercício de contração excêntrica em jovens do sexo masculino. O estudo também encontrou que níveis mais elevados de EPA (eicosapentaenoico) e DHA (docosahexaenoico) são importantes para reduzir o dano muscular.


Outros estudos apontam que isso acontece porque muitos dos efeitos dos ácidos graxos ômega 3 são semelhantes aos efeitos do exercício. Por exemplo, ambos aumentam a taxa metabólica basal, sensibilidade à insulina, produção de óxido nítrico, deformabilidade eritrocitária, variabilidade da frequência cardíaca e densidade óssea e diminuem o risco de síndrome metabólica, fraturas ósseas, agregação plaquetária e depressão.

Além disso, tanto o ômega 3 quanto o ômega 6 produzem os hormônios eicosanoides, que podem ter propriedades inflamatórias e anti-inflamatórias. A atividade inflamatória é aumentada ao passo que os níveis de ômega 6 ficam muito acima do ômega 3, como é comum na dieta da maioria das pessoas. Isso ocorre porque ambos competem pelo uso da mesma enzima delta-6 dessaturase.

Atividades físicas


O desempenho físico, a capacidade de resistência e a resistência à fadiga dependem de fatores distintos. A capacidade de transporte de oxigênio no sangue eh fundamental e, conforme estudos, este fator também pode ser apoiado pelo ômega 3, visto que ele melhora a deformabilidade eritrocitária (termo utilizado para caracterizar a propriedade de adaptação dos glóbulos vermelhos ao fluxo durante os 120 dias que permanece na circulação). Ademais, uma vez nas membranas celulares, o ômega 3 ajuda no desempenho físico através do fluxo sanguíneo por meio da sua ação na vasculatura.


Durante a influência do exercício físico, o sistema eritrocitário sofre um enrijecimento, atribuído à consequente produção extra de radicais livres, que danifica as membranas das hemácias. Assim, a redução da oxidação lipídica e o aumento do fornecimento de oxigênio e nutrientes para os músculos a partir da melhora da deformabilidade eritrocitária pelo ômega 3 podem ajudar no desempenho muscular!!


De maneira geral, a inclusão deSte ácido graxo na combinação exercício + proteína precisa de mais pesquisas, mas tudo indica que é um potencializador promissor! Por isso, acredito ser muito importante discutirmos a ingestão saudável deste ácido graxo. Lembre-se sempre de conversar com um profissional de confiança para recomendações adequadas para você!

Fontes:

https://prescritor.essentia.com.br/essentia-atual/?dito=1&drfc=623021fb3f0c2d18360ff6ebd9a88ec69a5ddafd1e14c&utm_campaign=400315&utm_content=Dito_400315_8005623&utm_medium=email&utm_source=dito

https://blog.integralmedica.com.br/omega-3-mais-musculos-e-menos-gorduras/

https://www.danonenutricia.com.br/adultos/saude/entenda-a-relacao-entre-idade-e-massa-muscular-e-ossea-

24 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Relação entre vitamina D e resistência à insulina

Atualmente, existem muitos estudos que buscam compreender se há uma correlação de níveis inferiores de vitamina D com a resistência à insulina e qual o impacto desta vitamina em pacientes com diabetes

Dieta pós-parto

Após o parto, o organismo da mãe retorna, aos poucos, a funcionar normalmente. Visto que precisa reparar células, tecidos e órgãos, necessita de nutrientes construtores, energéticos e plásticos. É p

O impacto da alimentação na absorção de ferro

O ferro, como você já deve saber, é um mineral fundamental para a nossa saúde! Ele, além de ser importante para o bom funcionamento do sistema imunológico e do metabolismo, é essencial para a formação

Logo.png